Skip to content

Posts tagged ‘cenoura’

3 receitas nutritivas para o café-da-manhã

Fáceis de fazer, pratos ajudam a ter mais disposição no dia

A primeira refeição que fazemos define o nosso nível de energia e o nosso humor para o resto do dia. E é muito comum o café da manhã ser a única refeição que fazemos em casa. Por isso, explore receitas nutritivas e fáceis de fazer, e transforme este momento no mais sagrado do seu dia. Garanto que gastar uns minutos a mais ingerindo esses alimentos vai trazer mais disposição do que apertar pela terceira vez o botão soneca do despertador.

SMOOTHIE PURA ENERGIA

Este smoothie é uma refeição completa e riquíssima em nutrientes, com a praticidade de ser saborosa e preparada em 5 minutos. Serve até mesmo para as pessoas que fazem cara feia para comidas saudáveis.

Por ser rico em fibras e proteínas, e por usar um adoçante natural mais suave, o smoothie é especialmente indicado para tomar pela manhã. Além de você já começar o dia nutrindo seu organismo com as melhores opções de alimentos, também garante energia estável para o resto do dia.

Preparo: 5 minutos | Cozimento: 2 minutos | Pronto em: 7 minutos | Serve 1 pessoa

INGREDIENTES

  • Smoothie 2 baixa1 xícara de fruta fresca ou 1 polpa congelada de frutas vermelhas: morango, amora, framboesa, mirtilo, acerola, pitanga ou açaí (sem guaraná).
  • 1 banana madura
  • ½ limão
  • 1 xícara de salsinha
  • 1 colher de sopa de sementes de chia
  • 2 castanhas-do-Pará
  • 50g de amêndoas
  • Mel, melado de cana, agave ou stevia a gosto para adoçar

MODO DE FAZER

Bata tudo no liquidificador e pronto. Seu smoothie está pronto para ser saboreado em casa ou no trabalho.

SALADA DE FRUTAS PURA ENERGIA

Além de saborosa, esta sala de frutas é saudável e rica em nutrientes, fibras e proteínas. Deve ser consumida pela manhã, pois oferece disposição ao longo do dia.

Preparo: 10 minutos | Pronto em: 10 minutos | Serve 1 pessoa

INGREDIENTES

  • Salada de Frutas 1 baixa1 xícara de frutas frescas picadas, como manga, abacaxi, laranja, mexerica, pêssego, ameixa, morango, amora, framboesa, mirtilo, acerola, pitanga ou açaí (sem guaraná).
  • 1 banana madura
  • ½ limão
  • 1 xícara de folhas verdes ou ervas, como hortelã, salsinha, manjericão, coentro ou até mesmo as folhinhas do morango
  • 1 colher de sopa de sementes de chia
  • 2 castanhas-do-Pará picadas
  • 50g de amêndoas
  • Mel, melado de cana, agave ou stevia a gosto para adoçar

MODO DE PREPARO

Misture as frutas picadas com as castanhas e as amêndoas. Depois esprema o limão por cima e acrescente o adoçante natural de sua preferência, salpicando a mistura com uma pitada de sal. Misture com 1 xícara de folhas verdes ou ervas e depois acrescente 1 colher de sopa de chia.

Você pode levar sua salada de frutas para o trabalho, em um recipiente fechado, para fazer um lanche no meio da manhã.

OVOS COM SALADA DE RABANETE E FOLHAS

Essa receita é leve e rápida de fazer, além de ser fonte de energia, nutrientes, fibras e proteína. Que tal apostar em uma mudança de hábito e comer a salada pela manhã? Isso contribui com o processo natural de desintoxicação do organismo, ajuda o corpo a lidar melhor com o estresse e dá aquela disposição extra para o resto do dia.

Se você tiver dificuldade de comer o prato assim que acorda, experimente consumi-lo antes do almoço e, aos poucos, incluí-lo no cardápio do café da manhã. O rabanete ajuda muito a diminuir os desejos por doces e as variações de humor.

Preparo: 5 minutos | Cozimento: 5 minutos | Pronto em: 10 minutos | Serve 1 pessoa

INGREDIENTES

  • Ovos com salada 1 baixa1 ou 2 ovos
  • 2 rabanetes grandes, que podem ser substituídos por cenoura, beterraba, nabo, abóbora ou outras raízes
  • 2 punhados de folhas verdes, como rúcula, agrião, alface roxa, salsa, couve ou outra folha suculenta de sua preferência
  • Azeite
  • Sal marinho
  • 1/2 limão
  • Uma pitada de tomilho fresco ou seco

MODO DE FAZER

Lave e pique as verduras, temperando com uma pitada de sal marinho, um pouco de limão espremido e um fio de azeite. Em uma frigideira, faça os ovos mexidos em um fio de azeite e tempere-os com um pouco de sal marinho e tomilho. Varie o modo de preparação dos ovos, como cozidos, poché ou até cocote. Lembre-se de dar preferência para os caipiras e orgânicos.

Quer mais opções para começar o dia com mais energia? Veja aqui.

Publicado em: Personare

Sopas aquecem e oferecem mais saúde

Prato típico do inverno ajuda a perder peso e reduz sintomas da TPM.

Sopa é, para muita gente, sinônimo de dieta, doença e inverno. É bem verdade que uma sopinha quentinha é uma maravilha para acalmar o frio, além de ser uma refeição leve para quem precisa recuperar a saúde e ainda pode ser uma grande aliada na perda de peso. Mas a sopa pode ser muito mais poderosa e saborosa do que isso. Ela também é uma refeição muito recomendada para as mulheres, especialmente nos dias antes e durante a menstruação, trazendo os nutrientes para o corpo e a nutrição energética e emocional que nós mulheres tanto precisamos neste momento mais sensível do nosso ciclo.

Para que qualquer sopa fique saborosa, é preciso que sua base seja um caldo bem rico. É claro que não estou falando daqueles industrializados, cheios de sódio e glutamato monossódico, que causam dores de cabeça, aumento de peso e pioram ainda mais os sintomas da TPM. Estou falando do bom e velho caldo caseiro. É um investimento de tempo e dinheiro que vale a pena, pois fazendo seu caldo em casa, você tem total controle dos ingredientes (qualidade, quantidade, custos, sabores, 100% naturais) e pode transformá-lo numa espécie de seguro-saúde. Essa medida garante que você vai ingerir a maior parte das vitaminas, minerais e outros micronutrientes que protegem de doenças e cuidam da beleza e do equilíbrio hormonal.

Um caldo clássico de legumes, feito com cebola, alho-poró, aipo e cenouras, pode ganhar mais nutrientes se você acrescentar à receita uma folha de alga kombu. Já nos caldos de galinha, carne e peixe, é imprescindível acrescentar ossos cortados. Isso porque assim você vai garantir o suprimento de minerais como o cálcio e o magnésio, que fazem bem para os ossos e para sintomas de TPM, como cólicas, irritabilidade, entre outros.

Uma forma simples de ter um caldo delicioso e saudável sem esforço é usar o missô, a pasta de soja fermentada – uma iguaria japonesa muito apreciada por seu sabor único e por possuir probióticos naturais a partir de seu processo de fermentação natural. Isso ajuda a fortalecer nosso sistema imunológico e a prevenir gripes. Vale pesquisar se a soja não é transgênica e, de novo, se não tem glutamato monossódico na composição.

Aliás, segundo a tradição oriental, uma boa sopa tem que, além de ter um bom caldo, harmonizar três tipos diferentes de alimentos: três tipos de raízes, dois tipos de verduras, e uma porção modesta de proteína, que pode ser tanto de origem animal, como tofu ou feijão.

Se todo esse papo deu fome, aproveite para fazer esta receita que recomendo na minha detox. O prato ajuda a se livrar do excesso de hormônios antes da menstruação e também auxilia na perda de peso. O feijão moyashi, além de fácil digestão, tem propriedades desintoxicantes poderosas. Esse produto pode ser encontrado em mercados especializados em produtos asiáticos ou em lojas que vendem grãos a granel. Vale a pena a procura e ter sempre um estoque em casa.

Minestrone de Feijão

Ingredientes:

  • 1 cebola
  • 3 cenouras
  • 1 litro de caldo de legumes ou água
  • 2 abobrinhas
  • 2 abobrinhas-jacaré (paulistinha ou baianinha)
  • 3 tomates sem casca e sem sementes
  • 200g de vagem francesa (fininha, sem caroço)
  • 1 osso de galinha ou uma folha de alga kombu
  • 1 xícara de feijão moyashi/mung ou azuki
  • 1 xícara de salsa desfolhada (use os caules picados no refogado)
  • 1 xícara de couve cortada em tiras fininhas
  • Azeite de oliva
  • Sal marinho
  • Pimenta-do-reino
  • Ervas como tomilho, manjericão, orégano, alecrim e outras a gosto

Modo de fazer:

Coloque o feijão de molho no dia anterior, ou faça um molho “express” (derramar água fervente sobre o feijão em uma panela, e deixar imerso por 15 minutos. Depois escorra e enxágue). Em uma panela grande, acrescente 2 xícaras de água para uma de feijão e uma tira de kombu. Deixe ferver, tampe e cozinhe até que o feijão esteja cozido completamente, que pode levar de 45 minutos a uma hora.

Em uma panela separada, refogue uma cebola picada em azeite de oliva, sal e pimenta por alguns minutos. Adicione as cenouras picadas e continue refogando. Em seguida, adicione 1 litro de caldo de legumes ou água, adicione o osso de galinha ou um pedaço de Kombu e cozinhe até que as cenouras comecem a amolecer. Adicione as abobrinhas e as abobrinhas-jacaré, os tomates e a vagem, todos picados. Quando todos os demais ingredientes estiverem cozidos, descarte o osso (a alga é comestível), e adicione a couve e o feijão já cozido à sopa. As ervas frescas e a salsa somente devem ser acrescentada na hora de servir. Se quiser, ajuste o sal e a pimenta, e regue o prato com um fio de azeite.

Para continuar refletindo sobre o tema

Veja aqui algumas receitas sobre como preparar caldos caseiros. O tempo de cozimento pode ser de 30 minutos, 3 horas e até 12 horas, de acordo com sua disponibilidade e gosto. Congele porções pequenas para ir usando aos poucos. O descongelamento é simples e os caldos podem ser usados todos os dias.

Fonte: Revista Personare

Dicas exclusivas das chefs

Estive recentemente no 4º Festival de Culinária Vegetariana, que aconteceu dentro da 7ª NaturalTech – Feira Internacional de Alimentação Saudável, Produtos Naturais e Saúde e 7a BioBrazilFair – Feira Internacional de Produtos Orgânicos e Agroecologia, dos dias 22 a 24 de julho de 2011 e trouxe para vocês algumas dicas preciosas de chefs que valorizam a comida de qualquer pessoa, desde a que não gosta muito de cozinhar, até as mais gourmets, passando pelas vegetarianas e veganas.

A chef Luana Budel, do Falando Abobrinhas, fez uma Moqueca de Pupunha com um ar capixaba, e usou ingredientes bem inusitados para uma preparação como esta: chuchu, quiabo e batata baroa. Até eu que faço cara feia para esses ingredientes, comi de lamber os beiços. Se ficou curiosa, pegue a receita aqui.
Ela passou algumas dicas de como você pode realçar sabores de seus pratos e como você pode tornar o seu ato de comer mais sustentável:

  • Faça seu próprio Caldo de Vegetais em casa, assim você não precisa ficar refém daquelas versões industrializadas com glutamato monossódico, muito sal e gordura, entre outras coisas nada saudáveis. Pegue com restos de alimentos que não vão ser usados, como folhas e raízes do alho poró, casca de cebola e de cenoura, entre outros, e cubrar com água uma panela grande e deixe reduzir por duas horas. Congele em formas de gelo, e depois coloque em sacolinhas zip lock, e vá usando os cubinhos a medida que precisar. Dura até 3 meses no freezer.
  • Faça Sais Aromáticos: bata sal grosso no liquidificador com ervas que você secou, ou cogumelos secos, ou qualquer sabor que te agrade. O sal grosso, por não ter passado pelo processo de refinamento, tem menos compostos químicos e, em conjunto com outros sabores, você acaba consumindo menos quantidade de sódio.
  • Faça um Crocante de Ervas: use os talos de salsinha, coentro e outros verdes picadinhos assados no azeite em fogo baixo, junto com amêndoas e castanhas picadas. Use para finalizar pratos e em cima de grão integrais.
  • Valorize consumir alimentos locais, nativos e orgânicos. Por exemplo, o arroz vermelho, que é nativo do Brasil (Maranhão) e vem sendo produzido em diversos locais do país e é muito mais nutritivo que o arroz branco, que muitas vezes é importado.

Outra chef que trouxe dicas interessantes foi a Marta Tatini, do Taioba Nativa, que reforçou a importância de se comer orgânicos para uma boa saúde e um sistema imunológico forte, e desmistificou algumas informações sobre a dieta vegana, que pode ser tão ou mais rica em proteínas, vitaminas e minerais quanto uma onívora. Ela preparou uma Lasanha Vegana com Molho Branco de Cogumelos.

  • O molho branco, que normalmente leva farinha de trigo branca e leite, foi feita apenas com leite de aveia, que já engrossa no fogo naturalmente. Ela deixou 1 xícara de aveia grossa para 2 a 3 xícaras de água de molho de um dia para o outro. Bateu no liquidificador e coou. Na panela, ela temperou com sal, pimenta e noz moscada e acrescentou cogumelos secos para um sabor mais marcante.
  • A massa caseira foi feita apenas com farinha de trigo integral orgânica, que é de ótima qualidade e não precsa levar ovo pois dá liga naturalmente com água batida com manjericão, para mais cor e sabor. Você pode usar qualquer vegetal que goste, como cenoura ou beterraba para um sabor mais doce e um visual mais colorido, ou outras ervas e folhas verdes.
  • O queijo vegetal foi produzido em casa também: bata o tofu com um pouco de povilho azedo e temperos diversos a gosto. Coloque para gelar a mistura numa forma para firmar. Corte em fatias para colocar na lasanha ou no pão.
  • Já existem molhos de tomate orgânico no mercado que não possuem aditivos químicos nem açúcar. Ou faça o seu próprio em casa e congele.

Que tal você começar a experimentar uma forma de comer sem comidas de origem animal depois destas dicas? Se você acha que ser vegetariano ou vegano não é para você, conheça um pouco mais sobre a Segunda-Feira Sem Carne, que é uma forma de você experimentar essa forma de comer e também dar sua contribuição para a sustentabilidade do planeta.

Cinco opções matinais rápidas cheias de energia

Tudo começou como a maior parte das coisas que escrevo no blog, ou seja, um experimento que faço comigo mesma e vejo resultados tão maravilhosos que não consigo me conter e tenho que dividir com mais pessoas.
No caso, algumas dessas pessoas são minhas clientes, que, como eu, sempre estão com pressa (seja porque estou com fome, seja porque acordei atrasada, seja porque sempre estou correndo para fazer as coisas 🙂 ), sempre estão sem energia (posso ter dormido o que for, que sinto-me cansada o tempo todo), sempre tem fome (poderia ficar beliscando o dia inteiro, que ainda teria fome).
Fora o fato de que o dia que não tem horas suficientes para tudo que queremos e temos que fazer, as demais questões podem ser resolvidas ao prestar um pouco mais de atenção no que estamos comendo pela manhã (ou ainda, se não estamos comendo).
O ciclo começa acordando cedo para se preparar para ir ao trabalho, e colocamos o despertador o mais tarde possível que podemos, pois fomos para a cama tão exaustas que qualquer 5 minutos a mais nos parece a salvação. Aí levantamos e fazemos tudo correndo, porque não queremos gastar tempo pela manhã que não seja dormindo ou indo para o trabalho. O café-da-manhã fica para trás ou é qualquer coisa que já esteja pronta na geladeira, como um comum pão com manteiga/queijo e café com açúcar, porque deus-me-livre funcionar sem o café logo pela manhã.
Chegamos no trabalho, e lá pelas 10 horas aquela fome louca começa no meio da reunião, e então é a hora do biscoito recheado e mais um cafezinho pra conseguir continuar até o almoço. Vamos almoçar, e aquelas opções maravilhosas, como batata frita, empadão, e o arrozinho branco básico estão lá no nosso prato sem ao menos a gente perceber que pegou.
Voltamos para o trabalho, e em pouco tempo já sentimos aquele sono descomunal. Nem preciso dizer que vem mais um café, e que o humor pede aquele chocolatinho que vai dar aquele pique que a gente precisa para manter o olhos abertos em mais aquela reunião.
Se tivermos sorte de sair do trabalho no horário, é muito provável que já no caminho pra casa, principalmente quando estamos presas no trânsito, aquela fome monstra volte a nos atacar. Chegamos em casa e comemos o que for mais rápido e conveniente, pois não queremos gastar nem um minuto a mais para colocar algo em nossos estômagos e nem um pouquinho de fosfato pensando no que cozinhar. O que nos resta é aquela lasanha congelada no microondas, ou mais um sanduíche, ou a quase diária ligação para o delivery da pizza ou do chinês.
Aí vamos para o computador ou pra frente da TV, em estado de zumbi, jurando para nós mesmas que vamos para cama cedo, mas não vamos. E a fome volta a atacar, e caimos de boca nos docinhos novamente. Vamos dormir tarde e o sono é agitado, o que significa que não descansamos direito e suficiente para começar o ciclo novamente. Isso porque nem falei de dar atenção ao marido ou namorado ou aos filhos, cachorro, papagaio, periquito.

Se você gosta de assistir thrillers, acho que você deve ter descoberto quem é o grande vilão da história aí, né? E nem estou falando de estresse. Estou falando daquele fantasminha camarada que desmascarei em outro post do blog: as comidas brancas refinadas como o açúcar, o trigo, o arroz, a batata inglesa. São elas que te deixam sem energia. E com o que exatamente começamos do dia? Com pão e açúcar brancos. E o que normalmente falta no café-da-manhã? Uma boa fonte de proteína e de vitaminas e minerais.
Pessoas como nós, sempre na correira, sempre comendo doces e pães e macarrão e arroz e batata, com histórico de saúde ou na família de ovário policístico, resistência a insulina, hipo ou hiperglicemia, diabetes, síndrome metabólica, entre outras disfunções do pâncreas e dos níveis de glicose, insulina, ou que, simplesmente vive sem energia, aposte em colocar para escanteio as comidas refinadas e investir com vontade nas proteínas de qualidade.
E não estou falando que você deve virar uma mulher das cavernas carnívora, pois proteínas não estão presentes só nos produtos de origem animal, mas também nas leguminosas , nas castanhas e sementes, e também nos grãos integrais.

Já está achando tudo isso complicado demais? Simplifiquei tudo nestas 5 sugestões de café-da-manhã que não levam mais de 10 minutos para executar, são deliciosas, e vão deixar seu nível de energia mais alto e estável durante o dia.

5 receitas de opções rápidas cheias de energia para o café-da-manhã

(mas nada impede que vire almoço, lanche, jantar…)

  • Ovos com salada de rabanete e folhas

Uma fonte de proteínas leve e rápida de fazer, os ovos podem ser feitos mexidos um um fio de azeite, e temperados com um pouco de sal marinho e tomilho. Varie o modo de preparação dos ovos, como cozidos, poché, ou até cocote. Lembre-se de dar preferência para os caipiras e orgânicos.
A salada vem com uma excelente fonte de energia, que é o rabanete, uma raíz que vai ajudar muito a diminuir os desejos por doces. Pode ser substituída por cenoura, beterraba, nabo e pede o acompanhamento das folhas verdes como rúcula, agrião, alface ou outra folha suculenta de sua preferência.

  • Tofu com salada de cenoura e salsinha

Outra ótima fonte de proteína rápida de fazer, o tofu pode parecer estranho e sem graça, mas esta receita vai mudar sua opinião. A salada segue o mesmo esquema descrito acima. Veja a receita clicando aqui.

  • Smoothie Pura Energia

Faça este principalmente nos dias seguintes às compras na feira/hortifruti/supermercado, pois você terá muitas opções de frutas para brincar a vontade. A fonte de proteína aqui serão castanhas e sementes, que vão ser transformados em leite no liquidificador (veja receita aqui).
Pego um pouco deste leite, e bato com:
– Frutas vermelhas: vale desde o morango, amora, framboesa, mirtilo, até a polpa de açaí, de acerola, de uva
– 1 banana, maçã verde ou pera, ou 2 colheres de sopa de abacate
– 1/2 Limão verde, com casca e sem sementes e aquele miolo branco. Se quiser um gosto mais delicado, use o limão amarelo (ou siciliano)
– Salsinha ou couve ou qualquer folha verde escura disponível na geladeira. Se você tem receio de como vai ficar o gosto, comece colocando um pouco e vá aumentando a quantidade a cada dia.
Se quiser aumentar ainda mais o valor nutricional e a quantidade de fibras, acrescente 1 colher de sopa de sementes de chia.
Adoce com mel silvestre, melado ou rapadura, ou ainda stevia, e salpique uma pitada de sal.
Bata tudo no liquidificador e está pronto para ser saboreado em casa ou no caminho pro trabalho.

  • Salada de frutas Pura Energia

Pegue os ingredientes do smoothie, mas use de outra maneira: pique as frutas (vale combinar, além das descritas acima, mais outras também, como manga, abacaxi, laranja, mixirica, pêssego, ameixa, etc) e as castanhas/sementes, esprema o limão por cima e acrescente o adoçante natural de sua preferência e salpique uma pitada de sal. As folhas verdes podem ser ervas, como a hortelã, salsinha, manjericão ou coentro, ou até mesmo as folhinhas do morango. Acrescente 1 colher de sopa de linhaça triturada na hora. Pode também levar para o trabalho em um recipiente fechado para fazer um lanche no meio da manhã.

  • Mingau Pura Energia

Em uma panela pequena, junte meia xícara de aveia grossa ou laminada (ou mais, dependendo de sua fome) com água que cubra. Coloque em fogo baixo, com uma pitada de sal, e deixe cozinhar (se quiser, vá tirando a espuminha que normalmente se forma em cima). Você pode usar o leite de castanhas/sementes no lugar da água para um mingau mais cremoso, ou acrescentá-las picadas ao final para um toque crocante.
Deixe cozinhando por 10 a 15 minutos, até ficar na consistência desejada. Tempere com canela, noz moscada, cardamomo, cacau em pó (para as chocólatras e as de TPM!), acrescente o adoçante natural de sua preferência. Acrescente frutas picadas (as descritas na receita do smoothie ou da salada, ou ainda frutas secas como damascos, tâmaras, passas), deixe cozinhar por alguns instantes e desligue o fogo e sirva em um prato ou tigela. Salpique 1 colher de sopa de linhaça triturada na hora.
Você pode levar para o trabalho em uma vasilha fechada para comer como lanche da tarde, pois vai te dar uma boa energia extra para aguentar até o final do expediente, ou até mesmo como almoço, pois fica bem em qualquer temperatura, e naqueles dias que não dá tempo nem de respirar no meio do dia quebra um bom galho.

Os Fantasminhas Camaradas da Alimentação

Venho falando no blog nos últimos posts sobre emagrecer, inflamação crônica no organismo, regras de como comer saudável, e quanto mais eu penso, leio e estudo sobre o assunto, percebo que um fantasminha fica sempre rondando o assunto e ele vem vestido de branco. Sei que você o conhece muito bem e que não precisa de apresentações formais, mas como bom fantasma, ele consegue se esconder direitinho na comida e se disfarçar de coisas gostosas: as comidas branquinhas e refinadas.

Açúcar, trigo, arroz branco, batatas são parte da turminha que assombra o organismo de praticamente todo mundo hoje em dia, causando terror por onde passa, deixando nossas células em pânico e provocando reações de espanto do nosso pâncreas. E não estou exagerando para fazer o texto ficar engraçadinho :).

O mecanismo é muito simples. Tudo que comemos é garimpado pelo nosso sistema digestório para conseguir algo extremamente valioso: glicose. Nosso cérebro é o principal consumidor dessa joia, que é pura energia. Quando comemos algo branco/refinado, estamos fornecendo praticamente glicose pura, sem fibras, sem nutrientes, sem proteínas e gorduras essenciais. Ou seja, essa glicose vai direto pra corrente sanguínea. Quando o cérebro detecta essa enxurrada de glicose de uma vez, ele fica louquinho e pensa “não sei quando será a próxima vez que vou ficar rico assim, então vamos guardar tudo que puder”, e aciona o pâncreas, que processa tudo isso com a insulina.

Imagine que isso tudo acontece TODAS AS VEZES que você coloca qualquer desses ingredientes em sua boca. Ou seja, o corpo fica em estado de emergência quase que constantemente, uma vez que nossa dieta típica de brasileiro tem no cardápio pão, arroz, macarrão, batata frita, sobremesa, biscoito, no café-da-manhã, no almoço, no lanche, na janta. Já deu pra entender que algo pode dar muito errado quando sobrecarregamos nosso corpo assim, não é mesmo?

E realmente dá. Desde a década de 60/70, quando passamos a consumir mais alimentos industrializados, e, portanto, refinados, e os índices de diabetes, doenças cardíacas, cânceres, doenças autoimunes, entre outras condições nem tão graves assim, aumentaram assutadoramente. As duas coisas estão intimamente ligadas.

Por isso recomendo uma dieta. Ela serve para qualquer idade, sexo, peso, gosto e estilo de vida: a No-white-stuff Diet. Você, basicamente, apenas para de comer comidas que contém ingredientes brancos, como açúcar , trigo refinado, arroz branco e batata.

Veja abaixo algumas dicas para ajudar na hora de escolher o que comer:

  • Açúcar: não se engane com o mascavo, que apenas está disfarçado de mais escurinho. Se optar pela cana-de-açúcar, vá de rapadura ralada, ou melado. O bom e velho mel de abelha silvestre também é outra ótima opção. As novidades no mercado são a stévia (o extrato da folha, não a versão refinada), o xarope de agave (procure o não refinado) e o xilitol. Outras opções com sabores interessates são os xaropes de arroz integral e de bordo (maple).
  • Trigo:  Atenção na lista de ingredientes, pois tem muitos pães integrais por aí com trigo refinado. Na hora do macarrão, escolha a versão integral, que, te juro, não faz diferença nenhuma no gosto, e aproveite para experimentar de outros grãos como quinoa e arroz integral. Não se engane com os biscoitos disfarçados de saudáveis, que tem em sua composição açúcar e trigo refinado.
  • Arroz: Se você é daquelas pessoas que torcem o nariz para o integral, comece a substituir aos poucos misturando no prato com o branco, e aumentando a proporção à medida que for se acostumando. Depois disso, você vai até achar arroz branco algo muito sem graça.
  • Batata: use outras raízes mais nutritivas, como batata-doce, mandioca, inhame, batata-baroa ou até mesmo cenoura no lugar. Além de mais sabor, eles vão ajudar você a diminuir os desejos por doces!

Veja bem, não estou dizendo que você tem que virar uma obsessiva “caça-fantasmas” e que nunca mais você vai colocar nada dessas coisas na boca, pois dessa forma, nossa vida social correria o risco de desaparecer, já que, em nosso convívio diário, continuaremos a nos deparar com essas comidas. Meu ponto é você ficar mais consciente de cada uma de suas escolhas, pois com um pouquinho de planejamento e paciência consigo mesma, essa “dieta” pode se transformar de algo aparentemente restritivo para um novo universo de muitas opções deliciosas.

Se você já se arrepia toda de medo só de ouvir sobre restrições na hora de comer, sugiro que você leia o artigo sobre a metodologia do Crowding Out, ou Congestionamento de Opções, clicando aqui.

%d bloggers like this: