Skip to content

Posts tagged ‘feijão’

Dicas de alimentos para ter mais calma

Alimentação adequada diminui a sensação de estresse

Manter uma alimentação saudável traz muitos benefícios para a saúde, inclusive a diminuição do estresse. Eu indico os alimentos naturais, principalmente a classe dos vegetais, para quem deseja relaxar. As folhas de cor verde-escura e os alimentos de coloração roxa, como o açaí e a beterraba, são antioxidantes e ótimos diminuir o estresse.

Os alimentos que mais contribuem para os altos níveis de estresse são os refinados (como a farinha de trigo), o açúcar, o sal em excesso e a comida “junk food”. Por serem alimentos processados, o organismo não os reconhece de imediato como comida e precisa fazer um esforço para aproveitá-los.

Confira uma receita que leva dois ingredientes que ajudam muito na recuperação do estresse no corpo: os feijões, como o grão-de-bico, e as folhas verde-escuras, como o espinafre. Read more

Como lidar com os sintomas emocionais da TPM

O período pré-menstrual é momento de desacelerar, de introspecção, de entrar em contato com as emoções.

Na terceira parte desta entrevista, converso sobre feminino, ciência e holismo, e dou dicas sobre o que fazer para lidar melhor com as emoções que vem com a TPM, e quais os alimentos ideais para serem consumidos neste período.

Quer conferir as outras partes desta entrevista? Acesse aqui. E fique ligada na última parte desta entrevista que vou publicar nas próximas semanas e leia uma pouco mais aqui.

Entrevista concedida para o Programa Salutis em 03 de dezembro de 2012.

Sopas aquecem e oferecem mais saúde

Prato típico do inverno ajuda a perder peso e reduz sintomas da TPM.

Sopa é, para muita gente, sinônimo de dieta, doença e inverno. É bem verdade que uma sopinha quentinha é uma maravilha para acalmar o frio, além de ser uma refeição leve para quem precisa recuperar a saúde e ainda pode ser uma grande aliada na perda de peso. Mas a sopa pode ser muito mais poderosa e saborosa do que isso. Ela também é uma refeição muito recomendada para as mulheres, especialmente nos dias antes e durante a menstruação, trazendo os nutrientes para o corpo e a nutrição energética e emocional que nós mulheres tanto precisamos neste momento mais sensível do nosso ciclo.

Para que qualquer sopa fique saborosa, é preciso que sua base seja um caldo bem rico. É claro que não estou falando daqueles industrializados, cheios de sódio e glutamato monossódico, que causam dores de cabeça, aumento de peso e pioram ainda mais os sintomas da TPM. Estou falando do bom e velho caldo caseiro. É um investimento de tempo e dinheiro que vale a pena, pois fazendo seu caldo em casa, você tem total controle dos ingredientes (qualidade, quantidade, custos, sabores, 100% naturais) e pode transformá-lo numa espécie de seguro-saúde. Essa medida garante que você vai ingerir a maior parte das vitaminas, minerais e outros micronutrientes que protegem de doenças e cuidam da beleza e do equilíbrio hormonal.

Um caldo clássico de legumes, feito com cebola, alho-poró, aipo e cenouras, pode ganhar mais nutrientes se você acrescentar à receita uma folha de alga kombu. Já nos caldos de galinha, carne e peixe, é imprescindível acrescentar ossos cortados. Isso porque assim você vai garantir o suprimento de minerais como o cálcio e o magnésio, que fazem bem para os ossos e para sintomas de TPM, como cólicas, irritabilidade, entre outros.

Uma forma simples de ter um caldo delicioso e saudável sem esforço é usar o missô, a pasta de soja fermentada – uma iguaria japonesa muito apreciada por seu sabor único e por possuir probióticos naturais a partir de seu processo de fermentação natural. Isso ajuda a fortalecer nosso sistema imunológico e a prevenir gripes. Vale pesquisar se a soja não é transgênica e, de novo, se não tem glutamato monossódico na composição.

Aliás, segundo a tradição oriental, uma boa sopa tem que, além de ter um bom caldo, harmonizar três tipos diferentes de alimentos: três tipos de raízes, dois tipos de verduras, e uma porção modesta de proteína, que pode ser tanto de origem animal, como tofu ou feijão.

Se todo esse papo deu fome, aproveite para fazer esta receita que recomendo na minha detox. O prato ajuda a se livrar do excesso de hormônios antes da menstruação e também auxilia na perda de peso. O feijão moyashi, além de fácil digestão, tem propriedades desintoxicantes poderosas. Esse produto pode ser encontrado em mercados especializados em produtos asiáticos ou em lojas que vendem grãos a granel. Vale a pena a procura e ter sempre um estoque em casa.

Minestrone de Feijão

Ingredientes:

  • 1 cebola
  • 3 cenouras
  • 1 litro de caldo de legumes ou água
  • 2 abobrinhas
  • 2 abobrinhas-jacaré (paulistinha ou baianinha)
  • 3 tomates sem casca e sem sementes
  • 200g de vagem francesa (fininha, sem caroço)
  • 1 osso de galinha ou uma folha de alga kombu
  • 1 xícara de feijão moyashi/mung ou azuki
  • 1 xícara de salsa desfolhada (use os caules picados no refogado)
  • 1 xícara de couve cortada em tiras fininhas
  • Azeite de oliva
  • Sal marinho
  • Pimenta-do-reino
  • Ervas como tomilho, manjericão, orégano, alecrim e outras a gosto

Modo de fazer:

Coloque o feijão de molho no dia anterior, ou faça um molho “express” (derramar água fervente sobre o feijão em uma panela, e deixar imerso por 15 minutos. Depois escorra e enxágue). Em uma panela grande, acrescente 2 xícaras de água para uma de feijão e uma tira de kombu. Deixe ferver, tampe e cozinhe até que o feijão esteja cozido completamente, que pode levar de 45 minutos a uma hora.

Em uma panela separada, refogue uma cebola picada em azeite de oliva, sal e pimenta por alguns minutos. Adicione as cenouras picadas e continue refogando. Em seguida, adicione 1 litro de caldo de legumes ou água, adicione o osso de galinha ou um pedaço de Kombu e cozinhe até que as cenouras comecem a amolecer. Adicione as abobrinhas e as abobrinhas-jacaré, os tomates e a vagem, todos picados. Quando todos os demais ingredientes estiverem cozidos, descarte o osso (a alga é comestível), e adicione a couve e o feijão já cozido à sopa. As ervas frescas e a salsa somente devem ser acrescentada na hora de servir. Se quiser, ajuste o sal e a pimenta, e regue o prato com um fio de azeite.

Para continuar refletindo sobre o tema

Veja aqui algumas receitas sobre como preparar caldos caseiros. O tempo de cozimento pode ser de 30 minutos, 3 horas e até 12 horas, de acordo com sua disponibilidade e gosto. Congele porções pequenas para ir usando aos poucos. O descongelamento é simples e os caldos podem ser usados todos os dias.

Fonte: Revista Personare

A melhor época do ano

Consumir mais vegetais na nossa alimentação é um excelente hábito em qualquer época do ano. Porém cada um tem um período na qual eles estão em sua melhor forma, ou seja, estão com uma concentração ótima de nutrientes, encontramos com mais facilidade, estão mais frescos, ficam mais baratos, além das vantagens ecológicas de terem sua versão orgânica e local mais disponíveis.

No Brasil, como em muitos locais o clima não muda muito, alguns vegetais estão disponíveis o ano todo. Confira abaixo a lista de cada estação do ano:

  • Primavera: abobrinha, acelga, agrião, alcachofra, alface, alho poró, almeirão, aspargo, beterraba, brócolis, cebolinha, cenoura, chicória, chuchu, cogumelo, couve, couve flor, erva doce, ervilha, espinafre, gengibre, inhame, mandioquinha, milho verde, mostarda, nabo, pepino, rabanete, repolho, salsa, salsão e vagem.
  • Verão: abóbora, abobrinha, agrião, alcachofra, alho poró, almeirão, aspargo, batata-doce, berinjela, beterraba, brócolis, cebolinha, cenoura, chicória, chuchu, cogumelo, couve, escarola, espinafre, feijão, gengibre, inhame, jiló, mandioca, mandioquinha, maxixe, milho verde, mostarda, nabo, palmito, pimenta, pimentão, quiabo, rabanete, repolho, rúcula, salsa, salsão, tomate e vagem.
  • Outono: abóbora, alho poró, aspargo, batata-doce, berinjela, beterraba , cará, cebolinha, chuchu, cogumelo, feijão, gengibre, inhame, jiló, mandioca, mandioquinha, maxixe, milho verde, mostarda, palmito, pimenta, pimentão quiabo, repolho, rúcula, salsa, tomate e vagem.
  • Inverno: abobrinha, acelga, agrião, alface, almeirão, batata-doce, berinjela, beterraba, brócolis, cará, cenoura, chicória, chuchu, couve, couve-flor, erva doce, ervilha, escarola, espinafre, gengibre, inhame, jiló, mandioca, mandioquinha, mostarda, nabo, palmito, rabanete, rúcula, salsa e tomate.

Fonte: Nutrição Sadia.

Faxina de final de ano

A primeira década do milênio vai chegando ao fim, e com ela muita gente começa aquele movimento de querer colocar a vida em ordem, o que normalmente acaba naquela grande faxina nos papéis, no guarda-roupa, no computador, e porquê não, no corpo e na mente.
Para a mente, é sempre bom praticar todos os dias o zazen, ou meditação sentada. É uma boa higiene mental, que ajuda a entrar em contato com nossos padrões de pensamento e a ter mais compaixão por nós mesmos, limpando, assim, a mente dos sentimentos negativos e destrutivos. Se você quiser saber mais sobre essa técnica, clique aqui.
Para o corpo, há algum tempo atrás, fiz um processo de desentoxicação do sistema digestivo, onde só comi vegetais frescos preparados na hora, focando mais em alimentos que ajudam a expurgar toxinas do organismo, por 7 dias. Foi bastante intenso, mas foi muito gratificante. Essa é uma das receitas que aprendi, e volta e meia faço para mim quando me sinto mais ‘pesada’, ou corpo pedindo clemência por alguma extravagância. Como é época de extravagâncias alimentares, acho uma ótima pedida experimentar esse delicioso prato de origem indiana.
Kitchari é o arroz e feijão hindi que, segundo essa cultura, tem o poder limpar o organismo como um todo, e, apesar de simples, tem um sabor único e não tão forte como o dos currys tradicionais.

Tempo de preparo: cerca de 1 hora e 15 minutos
2 porções

1 xícara de arroz integral (pode ser o basmati branco, que é o mais tradicional. Porém tem que se ajustar o tempo de cozimento do arroz, que diminui pela metade)
1 xícara de feijão mung cozido (coloque de molho por duas horas. Descarte a água, e coloque mais água para o cozimento, junto com uma folha de louro e um pedaço de alga kombu. Cozinhe por 20 minutos, descartando a água, a alga e o louro ao final do cozimento)
2 colheres de sobremesa de Ghee (manteiga clarificada) ou Azeite de Oliva
1 colher de chá de sementes de mostarda
1 colher de chá de sementes de cominho
1/2 colher de chá de pó de tumérico, ou açafrão-da-terra
1/2 1 colher de chá de sal marinho

Aqueça o ghee numa panela em fogo médio, e coloque as sementes de cominho e mostarda e mexa até elas começarem a pipocar. Adicione o arroz, o tumérico e o sal, e mexa. Coloque água fervendo (cerca de 3 xícaras), reduza o fogo, cubra com uma tampa e cozinhe por cerca de 30 minutos. Então acrescente o feijão, sem mexer no arroz, e cozinhe por mais 10 minutos, ou até o arroz e o feijão estarem completamente cozidos (amasse um grão com a língua contra o céu da boca. Se não oferecer resistência, está no ponto). Deixe em espera sem retirar a tampa por cerca de 5 minutos, e então misture bem.
Se quiser uma refeição mais completa, adicione os vegetais de sua preferência para cozinhar junto com o arroz, ou como acompanhamento, cozinhando a vapor, e temperando com um pouco de sal, pimenta e ghee ou azeite.

%d bloggers like this: