Skip to content

Posts tagged ‘tomate’

Receita de macarrão com molho de cogumelos

Prato é saudável e simples de ser preparado

Você anda ansiosa, irritada ou percebe que está adoecendo com facilidade? Incluir os ingredientes certos na sua alimentação pode lhe deixar mais calmo e saudável. Alimentos como o cogumelo, por exemplo, possuem propriedades antiestresse e promotoras da imunidade. Além disso, são uma ótima fonte de proteínas.

Para fazer uso desses benefícios, confira uma receita de macarrão com molho de cogumelos. Read more

Anúncios

Pizza pode oferecer nutrição emocional

Comida é sociável e deve ser compartilhada com uma boa conversa


Acompanhe esta cena comigo: minha melhor amiga e eu, em Nápoles – Itália, a capital mundial da pizza, sentadas em uma mesa com vista privilegiada para o forno da pizzaria mais antiga do mundo (aquela citada no livro “Comer Rezar Amar”). A pizza chega e a porção individual é do tamanho de dois palmos meus esticados. O aroma dos ingredientes é inebriante, o queijo borbulhante e elástico causa salivação instantânea, a massa tem uma textura que apenas o trigo, a água e o forno do local são capazes de criar. Apenas famílias italianas ao nosso redor conversando alegremente, e na minha frente uma das minhas pessoas favoritas em todo o mundo.

Agora eu lhe pergunto: o que é mais importante pensar ao vivenciar tudo isso?

pizza

a – Quantas horas de academia eu vou precisar fazer para gastar todas essas calorias? Carboidratos? Gorduras? Engordei só de pensar.

b – Mas trigo refinado e laticínios não podem provocar um monte de problemas de saúde? E quanto aos fornos à lenha que adicionam substâncias cancerígenas?

c – Mas pizza não é junk food? Jamais conseguirei comer isso sem culpa.

d – E se eu escolher me nutrir de tudo o que está à minha volta neste momento, e honrar este alimento como símbolo desta linda experiência?

Como a pizza é uma das comidas favoritas de muita gente, quero tirar a culpa, deixar o tabu de lado e fazer você usar o alimento como uma forma de ganhar saúde.

Do que você se alimenta?

Um dos pontos principais na Saúde Integrativa é o conceito de alimentação primária, que nada mais é que tomar consciência de que nos nutrimos muito mais do que apenas com comida. Nossas relações pessoais nos nutrem, assim como nossa carreira, nossa criatividade, nossos sonhos, e nossa espiritualidade. Ou seja, cada aspecto da nossa vida é importante para nos sentirmos nutridos plenamente.

Tanto que, quando nos sentimos contentes e vivendo uma experiência muito prazerosa, como por exemplo estar apaixonado, é muito comum até esquecermos de comer. Ou, quando levamos um fora, queremos devorar uma barra inteira de chocolate. Podemos ter o apetite saciado por estarmos felizes, ou podemos comer sem parar para preencher um vazio emocional interior.

O ponto-chave, portanto, é justamente usar com sabedoria essa via de mão dupla. Vamos voltar à pizza. É claro que comer pizza todo dia não faz ninguém mais saudável. E se resgatássemos o ritual da pizza e fizéssemos isso nos nutrir com alimentação primária? Pizza é uma comida altamente sociável, feita para ser compartilhada junto com uma boa conversa. É para ser uma ocasião especial, para ser degustada com calma e gosto, em um lugar especial para você, seja pela qualidade dos ingredientes, seja porque a pizzaria tem apego emocional para você, seja porque é uma experiência que nunca mais vai se repetir.

Isso também acontece com o almoço em família no domingo, aou comida da avó, em viagens… Existem momentos que você pode determinar que a prioridade é a alimentação primária, e que você pode deixar as regras, proibições e culpa do lado de fora da porta (e nunca mais pegar de volta, aliás!) e abraçar o momento presente com alegria.

Justamente por a pizza ser a minha comida favorita, eu tenho alguns requisitos para poder aproveitar com intensidade cada momento que escolho degustar uma.

  • Que tal, quando bater um desejo muito grande, escolher ir anos lugares que você já sabe que comerá uma pizza que adora?
  • Que tal escolher comer pizza acompanhada de boas companhias? E aproveitar comemorações que as pessoas escolhem fazer em uma pizzaria para comer pizza?
  • Que tal fazer escolhas inteligentes de quantidade, sabores, e de acordo com o que comeu anteriormente naquele dia? Se você vem comendo adotando uma alimentação composta basicamente de vegetais e integrais, não terá tanto impacto escolher uma pizza calabresa, ou comer mais de dois pedaços. Se já comeu outras vezes fora da sua rotina saudável naquela semana, escolha opções com vegetais e de massa integral. Passe a perguntar se existe a opção de massa integral, e, se não houver, faça a sugestão para a pizzaria passar a oferecer, inclusive sabores com mais vegetais, como abobrinha, berinjela, pimentão, e cogumelos.
  • Que tal montar a sua própria pizza com os ingredientes mais saudáveis que estiverem no cardápio? E que tal experimentar um dia pedir uma pizza sem queijo e com todos os vegetais disponíveis na casa?
  • Que tal sempre incluir uma folha verde na sua pizza? No mínimo, toda pizzaria hoje em dia tem pelo menos salsa e rúcula. Peça para incluir uma porção generosa em cima de qualquer sabor que você escolher. Desta forma, você vai comer uma das duas porções diárias recomendadas de vegetais, e ainda vai consumir fibras e nutrientes que vão ajudar seu organismo a processar os ingredientes que não são saudáveis.

Você pode usar esta técnica com qualquer uma de suas comidas favoritas, e passar a aproveitar muito mais as experiências maravilhosas que elas podem oferecer, muito além do sabor.

Publicado em: Personare / MSN / Personare Portugal / MdeMulher / Portal RBS / Clube da Vida Moderna

Os famosos desconhecidos Probióticos

Desde que publiquei o artigo “A ciência e a arte de emagrecer”, na qual cito o uso de probióticos, muitas pessoas vem me perguntando sobre o assunto. Eu mesma, que comecei a tomar o suplemento a pouco tempo (apesar de consumir alimentos fermentados com frequência), tive várias dúvidas de como proceder.
Eis aqui algumas informações que achei úteis para esclarecer mais sobre essas fascinantes criaturas.
Os probióticos são microorganismos presentes naturalmente em nossos intestinos e que são fundamentais no processo de digestão dos alimentos e absorção de nutrientes. Conhecidos como lactobacilos e bifidobactérias, eles também tem um importante papel em nosso sistema imunológico, pois minimizam os micro-organismos indesejáveis que podem gerar problemas digestivos, infestações (por cândida, por exemplo) e doenças. São trilhões de bactérias que vivem em nosso corpo, que chegam a pesar cerca de 4Kg!
Existem algumas coisas que interferem nesse equilíbrio da flora intestinal, como uso de antibióticos e outros medicamentos como anticoncepcional, estresse e toxinas ambientais, alimentação rica em alimentos refinados (açúcar, trigo, arroz branco) e com aditivos, e pobre em fibras e água, entre outros.
Por isso, se faz muito importante o uso regular da reposição dessas bactérias, além de cuidar com muito carinho dos que já moram em nosso organismo, como de um animalzinho de estimação muito querido. Claro, temos que dar água a vontade, pois em um ambiente ressequido (como um intestino constipado, por exemplo) qualquer ser vivo teria dificuldades em sobreviver e procriar.
Também temos que dar comida, o que neste caso significa fibras insolúveis, ou seja, que não digerimos, presentes em alimentos de origem vegetal, como cebola, alho, tomate, banana, cevada, aveia, trigo, mel, chicória, alho-poró, aspargos e alcachofra. Ao ingerir esses alimentos com frequência, estamos criando um ambiente prebiótico, ou seja, benéfico para a ação dos organismos probióticos.
E como estas criaturas detestam solidão, temos que proporcionar novas companhias com frequência, o que significa que temos que dar um empurrãozinho para que a população dessas bactérias continue estável e saudável, uma vez que não conseguimos controlar muitos dos fatores externos que enfraquecem as colônias.
E como (re)povoamos nossos intestinos? Existem suplementos em cápsulas que você encontra no mercado prontas ou de manipulação, e também alguns alimentos. O mais conhecido deles é o iogurte e o leite fermentado. Porém nem todo iogurte é probiótico, por isso, leia os rótulos dos produtos e veja se eles contêm bifidobactérias ou lactobacilos, os tipos mais comuns de probióticos encontrados nos alimentos, e escolha os sem adição de açúcar ou adoçantes artificiais. Outros alimentos fermentados, como o kefir, o chucrute, shoyu e misso, também são boas fontes de organismos probióticos.
O melhor de tudo é que não há nenhum problema no uso regular de probióticos (apenas para pessoas com problemas graves no sistema digestório). O que pode acontecer é um aumento temporário de gases, que passa em questão de dias do início do uso.

Para mais informações detalhadas sobre os probióticos, confira o website da Pat Feldman (ou clique nos links dos alimentos probióticos, e você verá as receitas para fazê-los em casa!), esta matéria da Revista Saúde, e este tira-dúvidas aqui, além de outras informações interessantes aqui (em inglês).

A melhor época do ano

Consumir mais vegetais na nossa alimentação é um excelente hábito em qualquer época do ano. Porém cada um tem um período na qual eles estão em sua melhor forma, ou seja, estão com uma concentração ótima de nutrientes, encontramos com mais facilidade, estão mais frescos, ficam mais baratos, além das vantagens ecológicas de terem sua versão orgânica e local mais disponíveis.

No Brasil, como em muitos locais o clima não muda muito, alguns vegetais estão disponíveis o ano todo. Confira abaixo a lista de cada estação do ano:

  • Primavera: abobrinha, acelga, agrião, alcachofra, alface, alho poró, almeirão, aspargo, beterraba, brócolis, cebolinha, cenoura, chicória, chuchu, cogumelo, couve, couve flor, erva doce, ervilha, espinafre, gengibre, inhame, mandioquinha, milho verde, mostarda, nabo, pepino, rabanete, repolho, salsa, salsão e vagem.
  • Verão: abóbora, abobrinha, agrião, alcachofra, alho poró, almeirão, aspargo, batata-doce, berinjela, beterraba, brócolis, cebolinha, cenoura, chicória, chuchu, cogumelo, couve, escarola, espinafre, feijão, gengibre, inhame, jiló, mandioca, mandioquinha, maxixe, milho verde, mostarda, nabo, palmito, pimenta, pimentão, quiabo, rabanete, repolho, rúcula, salsa, salsão, tomate e vagem.
  • Outono: abóbora, alho poró, aspargo, batata-doce, berinjela, beterraba , cará, cebolinha, chuchu, cogumelo, feijão, gengibre, inhame, jiló, mandioca, mandioquinha, maxixe, milho verde, mostarda, palmito, pimenta, pimentão quiabo, repolho, rúcula, salsa, tomate e vagem.
  • Inverno: abobrinha, acelga, agrião, alface, almeirão, batata-doce, berinjela, beterraba, brócolis, cará, cenoura, chicória, chuchu, couve, couve-flor, erva doce, ervilha, escarola, espinafre, gengibre, inhame, jiló, mandioca, mandioquinha, mostarda, nabo, palmito, rabanete, rúcula, salsa e tomate.

Fonte: Nutrição Sadia.

Mais dicas de horta

Nossos amigos Henrique e Brandão já nos passaram várias dicas bacanas de como fazer uma horta em casa. Se você ainda não começou a sua, seja por falta de espaço ou seja por falta de inspiração, assista este vídeo, que mostra como fazer uma horta em vasos e no apartamento, e termina com uma deliciosa receita de abóbora assada com ervas frescas.

Mãezinha e Dany, essa é em homenagem a vocês. 🙂

%d bloggers like this: